Alunos com deficiência auditiva fazem aula de dança na Caldense

Objetivo da ESTARC é fazer com que as pessoas surdas não dependam dos ouvintes e possam frequentar os espaços da sociedade

O Centro Municipal de Atendimento Educacional Doutor Tarso de Coimbra presta assistência especializada para pessoas surdas. A instituição tem como meta quebrar barreiras linguísticas e pedagógicas, para contribuir com a inclusão social dos deficientes auditivos. Paralelamente à isso, a organização promove a integração de seus alunos através de atividades do Projeto Interação, entre elas a dança.

A escola para surdos, ou simplesmente ESTARC, foi fundada em 1959 e há mais de seis décadas realiza um brilhante trabalho, que é referência no sul de minas. Atualmente atende mais de 50 alunos. Na última quinta-feira (03), um grupo de estudantes foi à sede da Associação Atlética Caldense, acompanhados das professoras Fabiana e Gilmara para uma aula de dança com a instrutora Pâmella Quinteiro.

O grupo aprendeu algumas coreografias e se divertiu com a aula, que foi bastante valiosa. “A Tarso trabalha para que as pessoas surdas não dependam dos ouvintes e possam frequentar os espaços da sociedade. A escola existe exatamente para orientar, atuar junto à comunidade, para que ela possa receber a pessoa com surdez” – explica a pedagoga Fabiana.